J.K. Rowling

Dados Pessoais

Nome completo: Joanne (Murray) Rowling. Acrescentou o nome do meio, “Kathleen” – nome de sua avó paterna -, por razões estéticas relacionadas à publicação dos livros. “Murray” é o seu atual sobrenome de casada.
Data de nascimento: 31 de julho de 1965.
Natural de: Chipping Sodbury, Inglaterra.
Interatividade: Twitter
Site oficial: Para acessar o site oficial da autora, clique aqui.
Notí­cias relacionadas: Todas as notí­cias do Potterish sobre a autora e o seu site, você encontra aqui.
Fórum: Discuta sobre a autora com outros fãs da série no nosso forum, clique aqui.

Intimidade

Filiação: Filha de Peter James Rowling – funcionário de uma fábrica da Rolls Royce – e Anne Volant Rowling – técnica de laboratórios. A sua mãe morreu aos 45 anos, em 1990 devido a esclerose múltipla, nunca tendo chegado a ver o sucesso da sua filha. Peter Rowling voltou a casar e tem uma boa relação com a sua filha.

Estado Civil: Casada com o anestesista Neil Murray – desde 2001 -, após divórcio com o jornalista Jorge Arantes (1991-1993).
Filhos: Jessica Isabel Rowling, nascida em 27/07/1993, filha de J.K. Rowling e de Jorge Arantes. O seu nome foi-lhe dado em homenagem a Jessica Mitford, ativista da Anistia Internacional e escritora. David Gordon Rowling Murray, nascido em 23/03/2003, e Mackenzie Jean Rowling Murray, nascida em 23/01/2005, ambos tendo por pai Neil Murray.

Escolaridade: Estudou por três anos no Tutshill Primary School, depois estudou no Wyedean Comprehensive School até o equivalente ao nosso 3º ano. Graduou-se em Francês e Filosofia na Exeter University com o intuito de se tornar uma secretária bilíngue.

Antigas ocupações: Secretária da Anistia Internacional e Professora de Francês e Inglês.

Profissão atual: Escritora.

Obras não publicadas: Rabbit – escrito aos 6 anos -, duas obras de literatura para adultos, abandonadas ao priorizar Harry Potter.

Escritores que admira: E. Nesbit, Jane Austen, Paul Gallico, Richard Scarry e C.S.Lewis. O seu livro favorito quando criança era The Little White Horse (O Pequeno Cavalo Branco), de Elizabeth Goudge. Outras obras que também gosta são Mulherzinhas e Beleza Negra.

Gastronomia: Gosta de tudo, exceto de tripas à moda do Porto.

TV: Comédias británicas, Frasier e Simpsons.

Hobbies: Não tem, pois ocupa o seu tempo escrevendo, com a família ou amigos, mas todos os anos dá uma festa pelo Halloween, uma data de que gosta muito. No entanto, Rowling desenha frequentemente e é uma apreciadora de arte: o seu quadro preferido é Ceia em Emmaus, de Caravaggio.

Instrumentos que toca: Guitarra.

Bandas preferidas: Beatles, The Smiths e The Clash.

Biografia

Biografia retirada do site JKRowling.com e traduzida pelo Potterish.

“Meus pais eram ambos londrinos. Conheceram-se num trem viajando da estação de King’s Cross para Arbroath, na Escócia, quando tinham ambos dezoito anos; meu pai estava partindo para entrar na Marinha, minha mãe para entrar nas W.R.E.N.s (o equivalente para mulheres). Minha mãe disse que tinha frio, meu pai lhe ofereceu para partilhar metade de seu casaco, e casaram-se pouco mais de um ano depois, quando tinham dezenove.

Ambos deixaram a marinha e se mudaram para os arredores de Bristol, no Oeste da Inglaterra. Minha mãe me teve quando tinha vinte anos. Eu era um bebê rotundo. A descrição em “Pedra Filosofal” das fotografias de “uma coisa que parecia uma grande bola de brincar na praia, usando diferentes chapéus coloridos” também se aplicaria às fotos de meus primeiros anos.

Minha irmã Di chegou um ano e onze meses depois de mim. O dia de seu nascimento é minha lembrança mais antiga, ou, pelo menos, minha lembrança datável mais antiga. Lembro claramente de brincar com massinha de modelar na cozinha enquanto meu pai corria para dentro e para fora, indo e vindo para junto de minha mãe, que dava a luz a minha irmã em seu quarto. Sei que não inventei esta lembrança porque chequei os detalhes mais tarde com minha mãe. Também tenho uma ví­vida imagem mental de dar uma entrada em seu quarto mais tarde, de mãos dadas com meu pai, e ver minha mãe deitada na cama com sua camisola junto de minha irmã brilhosa, totalmente nua, com uma cabeça cabeluda e aparência de cerca de cinco anos. Embora seja evidente que juntei pedaços de coisas que escutei em minha infância para formar esta bizarra falsa lembrança, ela é tão ní­tida que ainda me vem à  mente sempre que penso no nascimento de Di.

Di tinha, e ainda tem, cabelo muito escuro, quase negro, e olhos castanho-escuros como os de minha mãe, e era consideravelmente mais bonita do que eu (e ainda é). Em compensação, acho, meus pais decidiram que eu deveria ser a “inteligente”. Ambas rejeitávamos nossos rótulos. Eu realmente queria ser menos parecida com uma bola-de-praia-sardenta e Di, que agora é uma advogada, sentia-se chateada, com justiça, que ninguém notasse que ela não era só um rostinho bonito. Isto contribuiu indubitavelmente para o fato de que passamos três-quartos da nossa infância brigando como um par de gatas selvagens presas juntas numa jaula muito pequena. Até hoje Di tem uma cicatriz mí­nima logo acima do supercí­lio de um corte que lhe fiz ao jogar uma bateria nela, mas eu não esperava atingi-la, achei que ela fosse se esquivar! (Esta desculpa não adiantou muito com minha mãe, que ficou mais furiosa do que jamais a tinha visto).

Saí­mos do bangalá quando eu tinha quatro anos e nos mudamos para Winterbourne, também nos arredores de Bristol. Agora morávamos numa casa geminada com ESCADAS, que nos proporcionaram, a Di e a mim, reencenar, vezes sem conta, um drama situado no topo de um penhasco em que uma de nós balançaria do degrau mais alto, segurando nas mãos da outra e suplicando-lhe que não a largasse, oferecendo todo tipo de suborno e chantagem, até despencar para a “morte”. Achávamos isso infinitamente divertido. Acho que a última vez que brincamos de penhasco foi dois Natais atrás; minha filha de nove anos não achou nem perto de ser tão divertido quanto nós achávamos.

O pouco tempo que não passávamos brigando, Di e eu éramos as melhores amigas. Eu contava-lhe uma porção de histórias e às vezes nem precisava sentar-me em cima dela para fazê-la ficar quieta e me escutar. Frequentemente as histórias viravam brincadeiras em que representávamos os mesmos personagens. Eu era extremamente mandona quando dirigia estas longas peças, mas Di aceitava porque geralmente eu lhe dava os papéis de maior relevância.

Havia muitas crianças com a nossa idade morando em nossa nova rua, entre elas um irmão e uma irmã cujo sobrenome era Potter. Sempre gostei de seu nome, ao passo que o meu não me agradava muito; Rowling (a primeira sí­laba é pronunciada com ou e não com au) se prestava a brincadeiras aflitivas como “Rowling stone”, “Rowling pin” [rolo de amassar pastel] e assim por diante. De qualquer modo, o irmão surgiu depois na imprensa alegando “ser” Harry. Sua mãe também contou aos repórteres que ele e eu costumávamos nos vestir de bruxos. Nada disso é verdade; de fato tudo o que me lembro do garoto em questão é que ele andava numa “Chopper”, que era o tipo de bicicleta que todos queriam nos anos setenta, e que uma vez jogou uma pedra na Di, o que me fez golpeá-lo com força na cabeça com uma espada de plástico (eu era a única que podia jogar coisas na Di).

Gostei da escola em Winterbourne. Era um ambiente muito relaxante; lembro-me de muita atividade com cerâmica, desenho e escrita de estórias, o que era perfeito para mim. Contudo, meus pais sempre tinham abrigado o sonho de viver no campo e por volta do meu nono aniversário nos mudamos pela última vez, para Tutshill, um vilarejo na periferia de Chepstow, em Gales.

A mudança coincidiu quase exatamente com a morte de minha avó favorita, Kathleen, cujo nome adotei mais tarde quando precisei de uma inicial a mais. Sem dúvida esta primeira grande perda de minha vida influenciou meus sentimentos para com minha nova escola, que não me agradou nem um pouco. Sentávamos o dia todo em carteiras com tampos móveis, de frente para o quadro-negro. Havia tinteiros antigos colocados nas carteiras. Na minha havia um segundo buraco, que tinha sido escavado com a ponta de um compasso pelo garoto que sentara ali no ano anterior. Obviamente ele tinha trabalhado em silêncio e fora da vista da professora. Considerei um grande feito e me pus a trabalhar, alargando o buraco com meu próprio compasso, de modo que quando deixei a classe, seria possível introduzir confortavelmente o polegar nele.

Minha escola secundária, Wyedean, para onde fui quando tinha onze anos, foi o lugar em que conheci Sean Harris, a quem “A Câmara Secreta” é dedicado e que era o dono do Ford Anglia original. Foi o primeiro de meus amigos a aprender a dirigir, e aquele carro turquesa e branco significava LIBERDADE e não ter mais que pedir ao meu pai para me dar caronas, que é a pior coisa de se morar no campo quando se é adolescente. Algumas de minhas melhores lembranças de minha adolescência incluem sumir dentro da escuridão no carro de Sean. Ele foi a primeira pessoa com quem discuti realmente a minha séria ambição de ser uma escritora e foi também a única pessoa que achou que certamente teria sucesso nisso, o que significava muito mais para mim do que lhe contei na época.

A pior coisa que ocorreu na minha adolescência foi a descoberta da doença de minha mãe. Diagnosticaram que ela tinha esclerose múltipla, que é uma moléstia do sistema nervoso central, quando eu tinha quinze anos. Embora a maioria das pessoas com esclerose múltipla passe por perí­odos de remissão, quando a sua doença para de avançar por um tempo, ou até melhora, mamãe não teve sorte; do momento de seu diagnóstico em diante ela pareceu ficar lenta, mas persistentemente, pior. Acho que a maior parte das pessoas acredita, bem lá no fundo, que suas mães são indestrutí­veis; foi um choque terrí­vel saber que ela tinha uma doença incurável, mas mesmo então, não compreendi plenamente o que o diagnóstico poderia significar.

Terminei a escola em 1983 e fui estudar na Universidade de Exeter, na costa sul da Inglaterra. Estudei francês, o que foi um erro. Tinha sucumbido à pressão de meus pais para estudar lí­nguas modernas “úteis”, por oposição ao inglês “aonde-leva?” e realmente deveria ter mantido a minha posição. Pelo lado positivo, estudar francês significou que morei um ano em Paris como parte do meu curso.

Depois de deixar a universidade trabalhei em Londres; meu emprego mais duradouro foi com a Anistia Internacional, a organização que luta contra o desrespeito aos direitos humanos em todo o mundo. Mas em 1990, meu então namorado e eu decidimos nos instalar juntos em Manchester. Foi depois de um fim de semana de procura de apartamentos, quando viajava de volta a Londres sozinha e num trem lotado, que a ideia de Harry Potter simplesmente surgiu na minha cabeça.

Eu escrevera quase continuamente desde os seis anos, mas nunca tinha ficado tão excitada com uma idéia antes. Para minha imensa frustração, eu não tinha comigo uma caneta que funcionasse e era muito tí­mida para pedir uma emprestada a alguém. Penso, hoje em dia, que provavelmente isso foi uma coisa boa, porque eu simplesmente fiquei sentada pensando por quatro (o trem atrasou) horas e todos os detalhes se acumularam no meu cérebro e este garoto magrela, de cabelos negros e óculos, que não sabia que era um bruxo, tornou-se mais e mais real para mim. Creio que talvez, se eu tivesse tido que diminuir o ritmo das idéias para poder retê-las no papel, eu poderia ter abafado algumas delas (embora às vezes eu fique pensando, ociosamente, quanto do que imaginei naquela viagem eu já tinha esquecido no momento em que coloquei as mãos numa caneta).

Comecei a escrever “A Pedra Filosofal” naquela mesma noite, embora aquelas primeiras páginas não tenham mais nenhuma semelhança com nada do que acabou ficando no livro. Mudei-me para Manchester, levando o manuscrito que se avolumava, crescendo para todos os mais estranhos lados e incluindo ideias sobre o resto da passagem de Harry por Hogwarts, não só o seu primeiro ano. Então, em 30 de dezembro de 1990, aconteceu algo que mudou tanto o meu mundo como o de Harry para sempre: minha mãe morreu.

Foi um período horrível. Meu pai, Di e eu ficamos desolados; ela só tinha quarenta e cinco anos e nunca tínhamos imaginado, provavelmente porque não podí¬amos suportar pensar na ideia, que ela podia morrer tão jovem. Lembro-me de sentir como se um trator passasse sobre o meu peito, literalmente uma dor no coração.

Nove meses depois, desesperada para me afastar por um tempo, fui para Portugal, onde arranjei emprego ensinando inglês num instituto de línguas. Levei comigo o manuscrito ainda crescente de Harry Potter, com esperança de que as minhas novas horas de trabalho (dava aulas à tarde e à noite) me permitissem prosseguir com o livro, que tinha mudado um bocado desde a morte de minha mãe. Agora, os sentimentos de Harry sobre seus pais mortos tinham se tornado muito mais profundos, muito mais reais. Em minhas primeiras semanas em Portugal escrevi meu capítulo predileto de A Pedra Filosofal, O Espelho de Ojesed.

Tinha esperado que ao voltar de Portugal já trouxesse um livro pronto embaixo do braço. Na verdade, levava algo ainda melhor: minha filha. Tinha conhecido e casado com um homem português, e apesar do casamento não ter dado certo, ele me deu a melhor coisa da minha vida. Jessica e eu chegamos a Edimburgo, onde minha irmã Di estava morando, bem a tempo para o Natal de 1994.

Pretendia começar a ensinar de novo e sabia que, a não ser que eu terminasse o livro logo, poderia não acabá-lo nunca; sabia que ensinar em tempo integral, com toda a avaliação e a preparação de aulas, ainda por cima tendo que cuidar sozinha de uma filha pequena, me fariam não ter absolutamente nenhum tempo livre. Então me atirei no trabalho numa espécie de frênesi, com a firme determinação de acabar o livro e pelo menos tentar publicá-lo. Sempre que Jessica dormia em seu carrinho eu entrava no café mais próximo e escrevia como uma louca. Escrevia quase toda noite. Depois tinha de datilografar tudo eu mesma. Cheguei por vezes a odiar o livro, mesmo quando o amava.

Finalmente ficou pronto. Pus uma bela capa de plástico nos três primeiros capí­tulos e os enviei a um agente, que os devolveu tão depressa que devem ter sido mandados de volta no mesmo dia em que chegaram. Mas o segundo agente que tentei respondeu e me pediu para ver o resto do manuscrito. Foi de longe a melhor carta que jamais recebi na minha vida e só tinha duas frases.

Demorou um ano para o meu novo agente, Christopher, encontrar um editor. Muitos recusaram. Então, finalmente, em agosto de 1996, Christopher me telefonou e me contou que a Bloomsbury tinha “feito uma oferta”. Não pude crer nos meus ouvidos. “Você está dizendo que vai ser publicado?” perguntei meio tonta. “Vai ser publicado de verdade?” Depois que desliguei, comecei a berrar e pular; Jessica, que estava sentada no seu cadeirão saboreando chá, olhou completamente assustada.

E vocês provavelmente sabem o que aconteceu a seguir.”

Caso você não saiba, o Potterish preparou um apanhado geral dos acontecimentos da vida de Rowling desde então, baseando-se nos inúmeros artigos, entrevistas e relatos divulgados nos últimos anos. Você encontra a grande maioria deles traduzido pela nossa equipe aqui.

Em junho de 1997, Harry Potter e a Pedra Filosofal foi publicado pelo selo infantil da Bloomsbury. Naquele ano, num leilão organizado por Christopher Little, o livro chamou a atenção dum editor americano, Arthur A. Levine, que fez a maior proposta jamais oferecida por um livro infantil até então. Com os direitos de publicação em mãos, a editora Scholastic lançou a obra em setembro de 1998 nos Estados Unidos.

Algumas semanas depois, devido ao considerável sucesso, novas tiragens de impressão precisaram ser feitas. Harry Potter e a Pedra Filosofal encabeçava todas as listas de mais vendidos, tanto no Reino Unido, como nos EUA. Nos anos que se seguiram, Jo tornou-se a escritora mais rica da história, publicando mais seis sequências da série. Harry Potter e a Câmara Secreta chegou às livrarias britânicas em 2 de julho de 1998 e permaneceu por um mês como o livro de capa dura mais vendido naquele país. O terceiro título da série Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban foi publicado no Reino Unido em 8 de julho de 1999 e recebeu aclamação mundial. Harry Potter e o Cálice de Fogo, o quarto livro, foi publicado em 2000 com uma tiragem inicial de um milhão de exemplares apenas no Reino Unido. Foi o primeiro da coleção a ser lançado simultaneamente pela editora britânica e americana e rapidamente estraçalhou todos os recordes com o maior número de livros vendidos no primeiro dia de publicação. O maior romance já escrito por Rowling foi lançado em 2003, Harry Potter e a Ordem da Fênix, quinto livro da série, que quebrou os recordes alcançados por seu predecessor. O penúltimo livro, Harry Potter e o Enigma do Príncipe, foi publicado em sua versão inglesa em julho de 2005. O sétimo e último romance da série, Harry Potter e as Relíquias da Morte, lançado em 2007, fechou a série literária com chave-de-ouro: estabeleceu um novo recorde de vendas, se tornando o livro mais rapidamente vendido, com mais de onze milhões de exemplares nas primeiras 24h de lançamento e abocanhou os principais prêmios literários populares do ano.

Antes mesmo de os livros virarem tamanho esse fenômeno, um exemplar de Pedra Filosofal caiu nas mãos do produtor britânico David Heyman, que percebeu o potencial cinematográfico dos romances. Em 1998, a Warner Bros. comprou os direitos da série para o cinema. Chris Columbus, de Esqueceram de Mim, se encarregou da direção dos primeiros filmes, homônimos aos livros, lançados em 2001 e 2002, respectivamente. Os filmes seguiram a trilha dos livros e também foram responsáveis por abalar a indústria, dessa vez a cinematográfica. Harry Potter e a Pedra Filosofal conseguiu chegar aos pés do campeão de bilheteria da época, Titanic, e ocupou o segundo lugar da lista de maiores arrecadações mundiais por alguns anos. As seis sequências que se seguiram mantiveram-se em níveis altíssimos de arrecadação, apesar de jamais terem alcançado o patamar do primeiro filme. A superação viria com o último, Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2, que, à época, estabeleceu os recordes de fim de semana de estreia nos EUA e no mundo e alcançou a terceira posição dentre as maiores bilheterias já registrada, sem ajuste à inflação. Também no cinema, a franquia tornou-se a mais lucrativa de toda a história.

J.K. Rowling é bastante conhecida por ser uma das celebridades que mais desenvolvem trabalhos filantrópicos, através de seu fundo beneficente Volant. Começou como embaixadora e hoje preside a Gingerbread, instituição que oferece apoio às necessidades de pais solteiros e seus filhos. Ela doou £10 milhões para a fundação de uma nova clínica na Universidade de Edimburgo, a Clínica de Neurologia Regenerativa Anne Rowling, que pretende atender pacientes com esclerose múltipla e outras doenças neurodegenerativas, assim como realizar pesquisas importantes em neurorregeneração. A clínica recebeu esse nome em homenagem à mãe de Jo, que morreu de esclerose múltipla aos 45 anos, e será oficialmente inaugurada em 2013. Ela também co-fundou o Children’s High Level Group (CHLG) com a Baronesa Emma Nicholson MEP, em 2005. Ela foi influenciada a fazê-lo por um artigo relatando que as crianças estavam dormindo em camas-jaula em instituições da República Tcheca. Em 2010, o fundo de caridade mudou seu nome para Lumos e mudou um pouco a sua missão: agora trabalha para acabar com a institucionalização sistemática de crianças em toda a Europa e ajuda-lhes a encontrar lugares mais seguros e solidários para se viver.

Ela escreveu também três livros menores. Os fãs os reconhecem quando são citados ao logo da série Harry Potter, dois deles sendo os títulos dos livros de escola de Harry: Animais fantásticos e onde habitam e Quadribol através dos séculos. O terceiro, Os Contos de Beedle, o Bardo, é um tradicional livro infantil citado em Harry Potter e as Relíquias da Morte, sendo peça-chave na resolução dos mistérios da trama. Os dois primeiros títulos foram originalmente publicados em março de 2001 em prol da Comic Relief. As vendas arrecadaram mais de £17 milhões. Hoje, tendo sido republicados desde 2009, cada exemplar da edição Bloomsbury vendido gera uma doação de £1,15 para a instituição. Depois de concluir a série Potter, J.K. Rowling decidiu dar um presente especial para as pessoas que tinham ficado mais estreitamente ligadas a Harry. Ela produziu artesanalmente sete exemplares individuais dum volume de contos de fadas bruxos chamado Os Contos de Beedle, o Bardo. Cada um dos setes era único: manuscrito, ilustrado em papel vegetal, encadernado em couro marroquino marrom e cravejado com diferentes pedras semipreciosas. Em dezembro de 2007, o sétimo exemplar foi leiloado, arrecadando a soma recorde de £1.950.000 para a instituição beneficente Lumos. Após o leilão, o título tornou-se disponível ao público em geral. Foi publicado pela Lumos, em associação com as editoras da série em todo o mundo, que, via de regra, revertem £1,61 da venda de cada exemplar à Lumos.

Além de ter sido nomeada com a OBE (Ordem do Império Britânico) por seus serviços à literatura infantil, J.K. Rowling recebeu diversos prêmios e honrarias, incluindo o Prêmio Príncipe das Astúrias para a Concórdia, a Legião da Honra da França e o Prêmio de Literatura Hans Christian Andersen. Também discursou na turma de formandos da Universidade de Harvard, nos EUA, em 2009.

J.K. Rowling não parou depois da publicação dos sete livros da série. Em 2011, ela anunciou um novo website em parceria com a Sony, o Pottermore. O conceito do portal é propiciar um espaço de novas descobertas sobre o mundo de Harry Potter, onde seja possível encontrar novos conteúdos exclusivos da autora sobre os personagens, lugares e objetos das estórias. Além disso, o projeto se encarrega de ser o único ponto de vendas de eBooks e áudio-livros da série em várias línguas, disponíveis para todos os dispositivos de leitura encontrados no mercado, em parceria com as editoras de J.K. Rowling pelo mundo afora.

Em 2012, Rowling aposta em seu retorno à literatura. Com o anúncio de um novo romance, The Casual Vacancy, os fãs e críticos do mundo estão em polvorosa, à espera duma obra anunciada como totalmente diferente de Harry Potter, dedicada a um público adulto, tratando duma temática muito forte e comum do dia a dia da sociedade britânica: a política. O livro chega às prateleiras de todo mundo, em sua edição em inglês, em 27 de setembro de 2012.

Atualmente, J.K. Rowling mora em Edimburgo, com seus filhos, Jessica, do primeiro casamento, David e Mackenzie, filhos do clínico-geral Neil Murray, com quem se casou em 2001.

Bibliografia

2012 – The Casual Vacancy
2007 – Os Contos de Beedle, o Bardo
2007 – Harry Potter e as Relíquias da Morte
2005 – Harry Potter e o Eni­gma do Prí­ncipe
2003 – Harry Potter e a Ordem da Fênix
2001 – Quadribol Através dos Séculos, sob o pseudônimo de Kennilworthy Whisp
2001 – Animais Fantásticos & Onde Habitam, sob o pseudônimo de Newt Scamander
2001 – Harry Potter e o Cálice de Fogo
1999 – Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban
1998 – Harry Potter e a Câmara Secreta
1997 – Harry Potter e a Pedra Filosofal

Fotos

Para ver mais fotos da J.K. Rowling, clique aqui.

Prêmios e Indicações

  • 2012 – Lista das 100 mulheres mais ponderosas da atualidade – Forbes

  • 2012 – Freedom of the City of London

  • 2012 – Guinness Book 2012 – Guinness Book

  • 2011 – Autora mais influente da indústria literária – The Guardian

  • 2011 – Contribuição Excepcional ao Cinema Britânico – BAFTA

  • 2010 – 29º prêmio de literatura H. C. Andersen, entregue para escritores cujas obras sejam comparáveis às de Hans Christian Andersen.

  • 2009 – “Lifetime Achievement Award” do DQ Entertainment pelo conjunto de sua obra.

  • 2009 – Condecorada com a insígnia de Cavaleiro da Ordem da Legião de Honra pelo Presidente francês Nicolas Sarkozy.

  • 2008 – Jo foi homenageada pela cidade de Edimburgo e recebeu prêmio que honra aqueles “cujas notáveis realizações trouxeram honra à Edimburgo”, e também foi imortalizada numa espécie de “calçada da fama” em um quadrado do lado de fora da Câmara da Cidade, onde deixou suas impressões digitais./p>

  • 2007 – Rowling vence o prêmio Entertainer of the Year da revista Entertainment Weekly.

  • 2009 – Considerada a sexta pessoa mais respeitada do Reino Unido por pesquisa da OnePoll.

  • 2008 – Prêmio “Lifetime Achievement Award” do British Book Award pelo conjunto de sua obra.

  • 2008 – Prêmio Mythopoeic de Fantasia para a Literatura Infantil.

  • 2007 – J.K. Rowling recebeu o prêmio Order of the Forest da Markets Initiative, uma organização canadense de proteção ao meio ambiente, pela impressão de Harry Potter e as Relíquias da Morte com papel reciclado.

  • 2007 – Wired Rave Award

  • 2007 – J.K. Rowling recebeu o prêmio Pride of Britain por inspirar mães solteiras e aspirantes a autores.

  • 2007 – J.K. Rowling recebe o Golden Blue Peter Badge, a maior honraria do programa Blue Peter. Ela já havia recebido a de prata, mas só ganharia a de ouro, lhe disseram, quando fizesse algo muito importante como salvar uma vida.

  • 2006 – Children’s Book of the Year, por Harry Potter e o Enigma do Príncipe

  • 2006 – Royal Mail Awards (categoria 8 a 12 anos), por Harry Potter e o Enigma do Prí­ncipe

  • 2006 – Grau honorário de Dra. Honoris Causa em Direito da Universidade de Aberdeen

  • 2006 – Um dinossauro da ordem Pachycephalosauria recebeu o nome de Dracorex hogwartsia, “Dragão Rei de Hogwarts” em homenagem a Hogwarts.

  • 2006 – Um asteróide é descoberto pelo Dr. Mark Hammergren do Adler Planetarium, que, sendo fã de Harry Potter, dá-lhe o nome de 43844 Rowling.

  • 2006 – Greatest Living British Writer

  • 2006 – British Book Awards na categoria “Livro do Ano”, por Harry Potter e o Enigma do Prí­ncipe

  • 2005 – Ganhou um quadro exposto na National Portrait Gallery

  • 2003 – WH Smith People’s Choice Award, por Harry Potter e a Ordem da Fênix

  • 2003 – Recebeu o prestigioso Prêmio Príncipe das Astúrias da Espanha por Concórdia.

  • 2003 – British Book Awards Book of the Year, por Harry Potter e a Ordem da Fênix

  • 2001 – Children’s Book Award, por Harry Potter e o Cálice de Fogo

  • 2001 – Um Hugo Award, por Harry Potter e o Cálice de Fogo

  • 2001 – Scottish Arts Council Children’s Book Award, por Harry Potter e o Cálice de Fogo

  • 2001 – FCBG Children’s Book Award, por Harry Potter e o Cálice de Fogo

  • 2000 – British Booksellers Association na categoria “Autor do Ano”

  • 2000 – O W. H. Smith Book Awards – Children’s Book of the Year, por Harry Potter e o Cálice de Fogo

  • 2000 – The Blue Peter Book Awards, por Harry Potter e o Cálice de Fogo

  • 2000 – Recebe o título de Dra. Honoris Causa em Letras pela Universidade de Exeter, onde estudara entre 1985 e 1987.

  • 2000 – Nomeada pela Rainha Elizabeth como Officer of the British Empire, tornando-se Lady J.K.Rowling.

  • 2000 – Best Book for Young Adults, Booklist Editors’ Choice, por Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

  • 2000 – British Book Award na categoria “Autora do Ano”.

  • 2000 – O American Library Association Notable Book, por Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

  • 2000 – Sheffield Children’s Book Award, por Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

  • 2000 – Guardian Children’s Fiction Prize, por Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

  • 2000 – Children’s Book Award, por Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

  • 2000 – Carnegie Medal, por Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

  • 2000 – The Whithread Children’s Book of the Year Award, por Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

  • 1999 – Sheffield Children’s Book Award, por Harry Potter e a Câmara Secreta

  • 1999 – Scottish Arts Council Children’s Book Award, por Harry Potter e a Câmara Secreta

  • 1999 – Prix Sorciere (França), por Harry Potter e a Pedra Filosofal

  • 1999 – British Booksellers Association na categoria “Autor do Ano”

  • 1999 – Nestlé Smarties Book Prize (Prêmio de Ouro) (categoria 9-11 anos), por Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, sendo a primeira pessoa a ganha-lo três vezes seguidas.

  • 1999 – Best Book for Young Adults, por Harry Potter e a Câmara Secreta

  • 1999 – Los Angeles Times Best Book, por Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

  • 1999 – Association Notable Book Award, por Harry Potter e a Câmara Secreta

  • 1999 – American Library Award, por Harry Potter e a Câmara Secreta

  • 1999 – Guardian Children’s Fiction Prize, por Harry Potter e a Câmara Secreta

  • 1999 – Children’s Book Award, por Harry Potter e a Câmara Secreta

  • 1999 – British Book Awards na categoria “Livro Infantil do Ano”, por Harry Potter e a Câmara Secreta

  • 1999 – American Booksellers Book Award, por Harry Potter e a Pedra Filosofal

  • 1998 – Young Telegraph Paperback of the Year Award, por Harry Potter e a Pedra Filosofal

  • 1998 – Whitbread Children’s Book of the Year Award, por Harry Potter e a Câmara Secreta

  • 1998 – Sheffield Children’s Book Award, por Harry Potter e a Pedra Filosofal

  • 1998 – Primo Centro per la Letteratura Infantile (Itália), por Harry Potter e a Pedra Filosofal

  • 1998 – Nestlê Smarties Book Prize (Prêmio de Ouro) (categoria 9-11 anos), por Harry Potter e a Câmara Secreta

  • 1998 – Guardian Children’s Fiction Prize, por Harry Potter e a Pedra Filosofal

  • 1998 – Children’s Book Award, por Harry Potter e a Pedra Filosofal

  • 1998 – Bookseller Author of the Year, por Harry Potter e a Pedra Filosofal

  • 1998 – Carnegie Medal Harry, por Potter e a Pedra Filosofal

  • 1998 – British Book Awards na categoria “Livro Infantil do Ano”, por Harry Potter e a Pedra Filosofal

  • 1997 – Nestlé Smarties Book Prize (Prêmio de Ouro) (categoria 9-11 anos), por Harry Potter e a Pedra Filosofal

  • 1997 – British Book Awards (Prêmio de Ouro), por Harry Potter e a Pedra Filosofal

Projetos Sociais

  • Volant – Fundo beneficente que oferece assistência aos projetos que estão relacionados ao alívio de problemas sociais, com ênfase em questões ligadas às mulheres e às crianças

  • Clínica de Neurologia Regenerativa Anne Rowling – Apoia doentes com esclerose múltipla e outras doenças neurodegenerativas

  • Lumos – Trabalha para acabar com a institucionalização sistemática de crianças em toda a Europa e ajuda-lhes a encontrar lugares mais seguros e solidários para se viver

  • Anistia Internacional – Organização que luta contra o abuso dos direitos humanos

  • Gingerbread – Entidade que trabalha com pais solteiros e seus filhos

  • Médicos Sem Fronteiras Organização humanitária que presta assistência média de emergência a populações em perigo em mais de 60 países

  • Comic Relief – Organização britânica de caridade, que utiliza o riso para combater a miséria

  • Maggie’s Centres for Cancer Care – Organização que ajuda pessoas afetadas pelo câncer

  • Partido Trabalhista do Reino Unido

Curiosidades

  • Ela tem diplomas honorários em Dartmouth College, New Hampshire USA, Universidade de Exeter, Universidade de St Andrews, Napier University, Edimburgo e Universidade de Edimburgo.

  • Em uma avaliação feita pelo jornal The Telegraph, cuja lista (com 100 nomes) foi divulgada na tarde do dia 14 de abril de 2008, a notável J.K. Rowling foi destacada como a 14ª pessoa mais poderosa da Inglaterra. Sobre Jo e sua obra, o jornal inglês coloca: “Harry Potter trouxe sua fama e fortuna, e ela ainda tomou conta do ramo cinematográfico, insistindo que os filmes deveriam ser gravados na Inglaterra, com um elenco totalmente britânico. Ela disse: ‘Eu nunca quis [a fama], nunca a esperei ou dei certo com ela; hoje eu a vejo como algo que eu tenho que lidar, verdadeiramente.’ “.

  • O asteróide (43844) Rowling foi batizado em sua homenagem no inicio de 2006, e a recente descoberta do dinossauro Pachycephalosaurid Dracorex hogwartsia , atualmente no Museus para crianças em Indianapolis, foi nomeado em homenagem ao universo potteriano em maio de 2006.

  • Rowling esteve presente em toda a elaboração do roteiro do primeiro filme, ao lado do diretor Chris Columbus. Determinou qual seria a textura das cortinas, a cor do sangue do unicórnio e até desenhou um mapa com o interior do castelo de Hogwarts. No entanto, raramente aparecia nos estádios de filmagem.

  • A fênix é o animal predileto entre as criaturas fantásticas que habitam seus livros. A autora diz que as prefere porque são muito bonitas.

  • A inglesa deu com o nariz na porta de 9 editoras, que recusaram os originais de seu primeiro livro por considerarem-no longo demais para crianças.

  • O personagem Rony foi baseado em Sean, um amigo da escritora que tinha um Ford Anglia, carro de destaque no segundo filme da série. Já Hermione é uma espécie de auto-retrato da autora quando criança. Snape, por sua vez, foi inspirado num dos seus antigos professores.

  • A primeira vez em que fez a leitura de Harry Potter e a Pedra Filosofal em uma livraria foi um fiasco. Apareceu tão pouca gente que os funcionários tiveram pena de Rowling e ficaram escutando a história também. J.K. tremia tanto que acabava se perdendo na leitura do texto. Ela é uma pessoa extremamente reservada e conhecida também por sua timidez.

  • A autora conheceu seu ex marido, o jornalista português Jorge Arantes, quando dava aulas de inglês na cidade do Porto, Portugal, em 1992. Eles se casaram e JK perdeu o primeiro filho. Em 27 de julho de 1993 nasceu Jessica Isabel Rowling Arantes. Seu casamento durou até setembro e, por isso, J.K. foi morar em Edimburgo, Escócia, em outubro do mesmo ano.

  • Divorciada, J.K. acabou tendo de viver graças a uma pensão semanal de valor equivalente a 300 reais, paga pelo governo escocês. Morava com a sua filha em um pequeno apartamento e quando a neném caí­a no sono durante os passeios de carrinho, a autora aproveitava para entrar num café da cidade e redigia a história de Harry Potter em bloquinhos de papel. A obra demorou 5 anos para ficar pronta.

  • Embora J.K. tenha inventado a maioria dos nomes do universo de Harry Potter, pesquisou alguns no passado: aos 9 anos, sua famí­lia mudou-se para uma casa perto de um cemitério, que acabou sendo fonte de vários nomes. Dumbledore, por exemplo, era o termo usado no inglês antigo para a mamangava, um tipo de abelha. Snape, nome do professor de poções, é o mesmo nome de um lugar da Inglaterra.

  • Antes de se tornar uma celebridade, J K já tinha trabalhado como professora assistente, pesquisadora da organização de direitos humanos Anistia Internacional e até de secretária bilígüe. Estudou francês e lí­nguas clássicas na Universidade de Exeter, na Inglaterra. O latim que aprendeu lá foi muito útil para criar as palavras mágicas e feitiços dos livros.

  • Não é a toa que Harry pega o Expresso de Hogwarts para chegar a seu mundo mágico. Em 1990, quando a autora viajava de trem entre as cidades de Londres e Manchester, na Inglaterra, a composição quebrou e ficou horas parada. Foi aí­ que ela teve a idéia de escrever sobre um menino bruxo. Mas a relação entre os trens é mais antiga. Seus pais, Peter John Rowling e Anne Volant, conheceram-se na Kings Cross Station, a estação na qual o garoto tem de achar a plataforma 9 e três quartos.

  • Quando começou a escrever as aventuras de Harry Potter, J.K. Rowling não tinha em mente o objetivo de escrever ao público infantil. Ela diz que se diverte muito quando conta as histórias do garoto e que, se for um livro bom, qualquer um vai se interessar por ele. A idade não importa.

  • Em 2011 foi produzido um filme não oficial em formato biografia sobre J.K. Rowling.

  • J.K. Rowling diz que esperaria cair na Grifinória caso fosse para Hogwarts, já que valoriza a coragem acima de tudo.

  • Jo fala que não acredita em destino, e sim em trabalho duro e sorte, e que o primeiro muitas vezes leva à segunda.

  • Quando perguntada sobre seu momento mais embaraçoso, Rowling explica que não pode revelar por completo, mas foi num pub em Exeter (que é uma cidade no litoral sul da Inglaterra, onde ela cursou a universidade) em 1984 e envolveu uma piada feita por ela que saiu pela culatra de forma espetacular. O desastre todo foi presenciado por sua amiga Pauline.

  • J.K. Rowling afirma que o seu bem material favorito é a sua casa no norte da Escócia, que é muito tranquila e é um local onde pode se divertir muito com a família e os amigos. Entretanto, provavelmente a melhor coisa que os seus rendimentos lhe trouxeram foi a ausência de preocupação, como por exemplo, saber que tem como pagar todas as contas no fim do mês.

  • A autora sempre se recusou em responder a pergunta sobre um novo livro de Harry Potter com a palavra “nunca”, já que seria tolice descartar algo que talvez ela possa querer fazer daqui a alguns anos. No entanto, afirma que não têm planos imediatos para escrever outro romance do Harry Potter, pois já finalizou a história do Harry nos sete livros publicados.

Contato

J.K. Rowling
c/o Bloomsbury Publishing
38 Soho Square
LondonW1V 5DF
UK
ou
J.K. Rowling
c/o Scholastic Inc.
555 Broadway
New York, NY 10012
USA

 

J.K. Rowling
c/o Arthur A. Levine Books
555 Broadway
New York, NY
10012
www.jkrowling.com
ou
J.K. Rowling
The Blair Partnership
8 – 14 Vine Hill
London, EC1R 5DX
England
[email protected]

Fontes

J. K. Rowling
WikipediA ENG
Wizard News



 
 
 
 
 
 
Livros HP
  Livro 1
  Livro 2
  Livro 3
  Livro 4
  Livro 5
  Livro 6
  Livro 7
  Outros Livros e Relatos
 
  Animais Fantásticos e Onde Habitam
  Quadribol Através dos Séculos
  Os Contos de Beedle, o Bardo
  Prefácio dos Marotos
  Enciclopédia
  Extras
 
  J.K. Rowling
 
  The Casual Vacancy
  Série Cormoran Strike/font>
  Lia Wyler
  Mary GrandPré
 
Filmes HP
  Filme 1
  Filme 2
  Filme 3
  Filme 4
  Filme 5
  Filme 6
  Filme 7
 
  Parte I
  Parte II
  Outros Filmes/Trabalhos
 
  Alice no País das Maravilhas
  Cherrybomb
  O Corajoso Ratinho Despereaux
  Equus
  Dançando para a Vida
  How to Succeed in Business
  JK Rowling "Um Ano na Vida"
  Lições de Vida
  Matador em Perigo
  My Boy Jack
  Sete Dias com Marilyn
  Sweeney Todd
  Um Verão Para Toda Vida
  Elenco  
 
  Daniel Radcliffe  
  Emma Watson  
  Rupert Grint  
  Tom Felton  
  Lista Completa... +50 atores  
  Equipe Técnica  
 
  Alfonso Cuarón
  Chris Columbus
  David Heyman
  David Yates
  Mike Newell
  Steve Kloves
  Lista Completa...
 
Pottermore
 
Harry Potter: A Exposição
 
O Mundo Mágico de Harry Potter
 
Warner Bros Studio Tour London
 
Entrevistas JKR... +350 textos
 Por Ano
  Destaques JKR.com
  Não datadas
  1997
  1998
  1999
  2000
  2001
  2002
  2003
  2004
  2005
  2006
  2007
  2008
  2009
  2010
  2011
  2012
  2013
  2014
 Por Assunto
  Personagens
  Lugares
  Mundo Bruxo
  Livros & Cia
  Jo
  Boatos e Rumores
 
JKRowling.com
  Aniversário de Personagens
  Bruxo do Mês
  Biografia
  Diário
  Fan Sites
  Vista Gadget
  FAQ
 
  Sobre os Livros
  Sobre JKR
  Outras Coisas
  Enquetes?
  Informações Extra  
 
  Miscelânia
  Personagens
  Edições
  Itens Secretos  
  Links  
  Lixeira
  Novidades  
  Rumores  
  ? (Porta Secreta)  
  W.O.M.B.A.T  
 
EmmaWatsonOfficial.com
  Emma
 
  Sobre Emma
  Fotos e Favoritos
  FAQ's
  Prêmios
  Carreira
  Notícias
  Mídia
  e.m.s.
  UNICEF
  Minha Página
 
  Downloads
  Links
 
 
 
 
Legal Notice:
Harry Potter é propriedade de J.K. Rowling, Warner, Bloomsbury, Scholastic e Rocco. Este é apenas um fansite que publica informações para fãs. Os videos são propriedades dos respectivos canais.
All contents of JKRowling.com and EmmaWatsonOfficial.com is created by LightMaker.
Potterish.com - versão 4.0. Copyright © 2002 - 2014

Powered by WordPress.