“A história desse romance policial não faz sentido”, 14 de julho de 2013.

LONDRES — “O Chamado do Cuco,” um romance policial lançado em abril, não obteve grande sucesso comercial, mas as críticas foram ótimas.

Os leitores descreveram como um romance atraente e cintilante. Eles compararam o autor – um ex-investigador policial militar sob o pseudônimo Robert Galbraith – a P.D. James, Ruth Rendell e Kate Atkinson. Eles falaram que a escrita era muito segura e sofisticada para ser o primeiro romance de um escritor.

Como ficou comprovado, eles estavam certos. Numa das melhores jogadas editoriais recentes, “O Chamado do Cuco”, que havia vendido menos de 1.500 cópias na Grã-Bretanha até então, não foi escrito por um ex-oficial do exército britânico, nem por um novo autor, ou nem mesmo por um homem. Em vez disso, sua autora foi J.K. Rowling, cuja série Harry Potter a tornou uma das escritoras mais vendidas no mundo inteiro e uma das mais conhecidas.

Sra. Rowling foi desmascarada pelo The Sunday Times de Londres que, seguindo uma pista anônima, embarcou numa missão de investigação própria e publicou o resultado no domingo. No artigo, Sra. Rowling confessou o ardil e falou de forma um tanto melancólica de sua breve incursão no anonimato.

“Eu esperei manter esse segredo por mais tempo, pois ser Robert Galbraith foi uma experiência libertadora,” ela disse em seu depoimento. “Foi ótimo publicar sem a pressão ou a expectativa, e foi um prazer incrível receber as críticas sob um nome diferente.
NickyStonehill, assessora da autora, disse no domingo que o Sr. Galbraith e a Sra. Rowling eram na verdade um só. “Nós podemos confirmar essa informação,” ela disse, “mas não vamos dar mais nenhum depoimento.”

Muitos autores famosos gostam de escrever sob pseudônimos, especialmente quando se aventuram em novos gêneros. O romancista irlandês John Banville, vencedor do prêmio Man BookerPrize, publica romances policiais usando o nome Benjamin Black. Anne Rice escreveu ficção erótica como A.N. Roquelaure. No começo de sua carreira, Stephen King publicou diversos romances usando o nome Richard Bachman. (Em 1985, depois de ser exposto como o verdadeiro Richard Bachman, Sr. King anunciou que o Sr. Bachman havia morrido de “câncer do pseudônimo, uma forma rara de esquizofrenia”.) Mas é raro que um pseudônimo assim mantenha sua existência em segredo, especialmente aqueles como a Sra. Rowling, que tem uma vida pública como autora e cujas publicações são ansiosamente antecipadas.

Depois do megassucesso da série de Harry Potter, a Sra. Rowling escreveu um romance para adultos, “Morte Súbita,” que foi publicado por Little, Brown &Company, em setembro,sob intensa antecipação. Um conto de luta de classes e injustiça social em uma pequena vila inglesa, que virou um bestseller instantâneo e recebeu críticas pelo mundo inteiro, mas poucas foram positivas.
Por outro lado, “O Chamado do Cuco,” no qual um veterano de guerra que virou detetive particular investiga o suicídio suspeito de uma jovem modelo em Londres, mal fez cócegas no mundo comercial, mas recebeu muitos elogios. Foi publicado por Mulholland Books, uma marca da Little, Brown.

“Galbraith combina um detetive complexo e interessantee uma assistente bem formada e incomum com um crime desconcertante em sua estreia,” disse a PublishersWeekly em uma crítica.
“‘O Chamado do Cuco’,” disse o escritor de suspenses Val McDermid, “me lembra porque eu me apaixonei pela ficção policial.”
A história de como o The Sunday Times desmascarou a verdade é bem estranha e envolve, como vem acontecendo muito hoje em dia, o Twitter. Começou na quinta-feira, disse Richard Brooks, o editor de arte do jornal, depois que uma de suas colegas postou um tweet mencionando que havia amado “O Chamado do Cuco” e que não achava que o livro havia sido escrito por um iniciante.
“Depois da meia-noite, ela recebeu uma resposta de uma pessoa anônima dizendo que não era um romance escrito por um iniciante – mas escrito por J.K. Rowling” – disse o Sr. Brooks em uma entrevista. “Então minha colega respondeu perguntando ‘Como você tem certeza?’”

A pessoa respondeu “Eu simplesmente sei” e então deletou todos os seus tweets e excluiu sua conta no Twitter, disse o Sr. Brooks. “Todos os traços dessa pessoa foram apagados, e não conseguimos achar seu nome novamente.”

É possível que os tweets anônimos fossem parte de uma campanha furtiva da editora para lançar a história. Mas a curiosidade do The Sunday Times foi despertada, e o Sr. Brooks decidiu trabalhar sorrateiramente nisso, sem avisar os editores e agentes publicitários por medo de espalhar a notícia para um competidor.
Primeiro, ele fez uma investigação na internet para achar semelhanças entre “Morte Súbita” e “O Chamado do Cuco”. Os dois livros dividiam o mesmo agente, publicitário e editor na Grã-Bretanha, por exemplo. Parecia muito estranho, ele disse, que o editor, David Shelley, estaria tomando conta de alguém importante como J.K. Rowling – um trabalho bem grande, na verdade – e alguém aparentemente insignificante como Robert Galbraith.

Ele então começou a ler o livro. “Eu disse ‘Ninguém que estava no exército e agora trabalha com segurança civil poderia escrever um livro bom assim’” ele disse. Em seguida, ele mandou cópias de “O Chamado do Cuco,” “Morte Súbita” e o último livro da série Harry Potter, “Harry Potter e as Relíquias da Morte,” para uma dupla de experts em linguística, que encontraram várias semelhanças significativas entre eles.

Sr. Brooks também notou que “O Chamado do Cuco” continha algumas frases em latim, que nem os livros da série Harry Potter, e cenas envolvendo o consumo de drogas, que nem “Morte Súbita”.
Tarde da noite na sexta-feira, Sr. Brooks disse, ele decidiu “ir com tudo”.

“Eu mandei um e-mail com a pergunta na lata: ‘Eu acredito que Robert Galbraith é, de fato, J.K. Rowling, e você poderia me enviar uma resposta honesta?’” ele relatou. No sábado pela manhã, ele disse que recebeu uma resposta de uma porta-voz de Rowling, que disse que ela havia “decidido confessar”.
A Sra. Rowling agora conseguiu fazer muito dinheiro com seu novo livro, assim como seus editores. Um aspecto interessante da história foi como a Little, Brown essencialmente conspiroupara manter um segredo desses, abrindo mão de possíveis centenas de milhares de dólares.

Em um pequeno depoimento no domingo, Reagan Arthur, editora da Little, Brown, disse que a companhia estava “contente e orgulhosa” por “O Chamado do Cuco.” “Uma nova impressão do livro está a caminho e trará uma biografia revisada do autor contendo ‘Robert Galbraith é um pseudônimo para J. K. Rowling’” ela disse. A empresa disse que planeja publicar um segundo livro da série do Sr. Galbraith, também conhecido como Sra. Rowling, no próximo verão.

Em contato feito no domingo pela manhã, várias livrarias de Londres disseram que não tinham cópias de “O Chamado do Cuco” em estoque. Mas terão em breve. Em apenas poucas horas, o livro pulou para número 1 na lista de mais vendidos da Amazon tanto da Grã-Bretanha como dos Estados Unidos.

Julie Bosmancontribuiu enviando notícias de Nova York.
Um versão desse artigo apareceu na versão impressa em 15 de julho de 2013, na página C1 da edição do New York com o título: J. K. Rowling e o Romance Pseudônimo.

Traduzido por: Juliana Torres em 29/07/2014
Revisado por: Bárbara Waida em 29/07/2014
Postado por: Pedro Martins em 30/07/2014.
Fonte: The New York Times.