EMMA WATSON E RUPERT GRINT
Por David Gritten, para o jornal LA TIMES – Tradução G.V.Linares
www.harrypotterofilme.comHermione e Rony se mudam para a dianteira no terceiro filme de “Harry Potter”, pronto para fazerem mágica.

 

Já faz quase três anos desde que os personagens de Harry Potter, de J.K.Rowling, saíram do fenômeno literário e se tornaram parte de uma enorme franquia de sucesso. Naquele tempo, a imagem principal associada com os filmes tem sido Daniel Radcliffe, interpretando o grande mago Harry Potter, com sua marca registrada, seus óculos redondos e sua continua expressão de fraqueza.

Bem, as coisas estão para mudar. Agora é a vez dos companheiros de Harry ganharem um espaço na ação. No terceiro filme da série, “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban” (que será lançado em 4 de junho), a história é muito mais desenvolvida entre Harry e seus companheiros em Hogwarts, Hermione Granger, interpretada por Emma Watson, e Rony Weasley, interpretado por Rupert Grint.

Alfonso Cuarón, o diretor Mexicano de “Prisioneiro de Azkaban” (ele substituiu Chris Columbus, que dirigiu os dois primeiros), diz: “Rony e Hermione são os companheiros de aventura neste filme, e eles efetivamente controlam o terceiro ato. É algo incrível de se ver”.

Não existe dúvida que Watson está feliz com sua contribuição para “Prisioneiro de Azkaban”, antes mesmo de poder ver. Ela entra em uma sala perto dos escritórios da produção, senta-se em um sofá com três almofadas bordadas com um Harry Potter e uma coruja, e começa a conversar.

“O terceiro livro é definitivamente meu favorito, e é um bom roteiro para Hermione”, ela diz. “Ela tem ótimas cenas”. Tem uma curta cena no trailer do novo filme em que Watson, como Hermione, aparentemente dá um soco em alguém, então diz: “Isso foi bom!” E foi mesmo? “Pode ter certeza disso”, ela ri. “Sim, eu adorei. Meu primeiro soco na tela! Foi fantástico!”

Então quem estava recebendo o soco? Deveria saber, era Draco Malfoy (Tom Felton), o odiado aluno de Hogwarts que está em constante briga com Harry e seus dois amigos.

“Isso esteve se acumulando durante anos durante os três filmes”, diz Watson, balançando seus braços. “Ele esteve insultando, agredindo e sendo detestável. Harry diz ‘Ignore ele, não diga nada’ e de repente Hermione fica tão brava que acaba dando um soco nele. É fantástico! Muito girl power!”

Mesmo longe desta cena, Watson acha que Hermione finalmente pode se encontrar. “Ela teve dois filmes sendo colocada de lado pelos professores e rudemente insultada por Malfoy. Neste filme, ela pensa, ‘Certo, é isso, não vou mais aceitar nada disso’. Ela briga com um professor, bate em Malfoy, briga com Rony. Ela está cansada disso. Ela não irá aceitar mais nada de ninguém”.

Watson é tranqüilamente articulada explicando isso. Magra e pequena, com um brilho em seus olhos, ela usa um suéter verde desbotado de tricô em cima de uma camisa, calças jeans e tênis cor creme com detalhes dourados. Ela pode parecer como muitas garotas britânicas de 13 anos e revela uma grande inteligência quando fala. Ela também tem um senso de humor aguçado. Desde que conseguiu o papel com Hermione, ela esteve constantemente enfatizando como é pouco parecida com a personagem. Agora não tem tanta certeza.

Quando Cuarón (que foi notado pelo seu trabalho em “E Sua Mãe Também”, de 2002) conheceu os três atores, ele pediu para escrever uma redação sobre seus personagens – o que eles sentiam, o que fazia eles agir, no que eles acreditavam. O jeito em que os três responderam encaixou-se em seus personagens perfeitamente: Radcliffe escreveu uma página e se sentiu bem com isso. Grint, em um verdadeiro estilo Rony Weasley, evitou fazê-la. Watson, reagindo como Hermione numa lição de casa, escreveu cerca de 16 páginas – o que provou muitas provocações pelo set.

“Foram 16?”, ela diz agora, cobrindo seu rosto e ficando envergonhada. “Talvez tenha sido 12… ou talvez um pouco menos? Certo, eu gostei de escrevei sobre isso, mas minha caligrafia é grande! Eu deixo um grande espaço entre as palavras”. Relembrando, ela achou um exercício útil. “Isso me fez ver Hermione de um jeito completamente diferente. Alfonso me fez pensar: Porque ela faz as coisas que ela faz? Porque ela é tão chata? Eu acho que talvez seja uma máscara, porque talvez assim ela não precise demonstrar sentimentos ou emoções. Eu nunca pensei nisso antes, então para mim ela se tornou uma pessoa muito mais profunda”.

Neste ponto, Grint entra, tendo completado uma aula particular (existe uma escola de Harry Potter não oficial no estúdio, e todos os jovens atores e seus dublês tem lições durante cinco horas por dia). Seu cabelo ruivo está mais comprido do que nos livros, quase caindo sob seus olhos. Ele está ultra-casual em uma camiseta e calça baggy.

Acontece um momento adolescente entre ele e Watson; ele vai em direção a uma cadeira ao lado do sofá mas é então convencido de se sentar ao lado dela. Depois de uma troca de olhares, com Watson reclamando que ela foi forçada a sair de um lugar quente no sofá, eles finalmente se acalmam.

Grint concorda que o novo filme oferece mais informações. “Existe uma história se desenvolvendo entre Rony e Hermione”, ele reflete.

“É como uma pequena coisa acontece entre os dois, e existe muitos momentos constrangedores entre eles no terceiro filme. Alguns abraços e nós caímos bastante também. Alfonso pensou que seria uma substituição para nossa relação”.

O que ele mais gosta é estar envolvido em cenas difíceis. Em uma delas, Rony é puxado através do chão e cai em um buraco em uma árvore. “Isso foi divertido”, ele diz com um sorriso. “Mas eu engoli muita grama”.

Grint, que irá fazer 16 anos em Agosto, admite que foi difícil se ajustar a outro diretor após dois filmes com Columbus. “Mas Alfonso é ótimo. Ele gostava de nós dizendo coisas sobre eles. Ele queria que nós personalizássemos os uniformes. Ele achou que iría parecer diferente, por exemplo, que todo mundo usasse diferentes nós de gravata”.

“Então eu fiz a minha um pouco suja. Eu tinha metade da minha camisa para fora da calça, o último botão desabotoado”, ele pausa para efeito. “Um pouco como eu uso meu uniforme da escola verdadeira, na verdade. Dan era um pouco mais arrumado do que eu, mas Emma, por ser Hermione, tinha que ter tudo perfeitamente arrumado”.

Ele é um jovem encantador, com olhar de sono, um pequeno sorriso e a habilidade de ficar quieto em uma conversa, então solta uma piada em voz baixa. Grint é um intrigante contraste de Watson, que fala rapidamente e de forma energética, com frases completas perfeitamente formadas.

Ambos querem continuar a atuar. “Eu estarei aqui para fazer todos os filmes de Harry Potter”, diz Grint. “Eu realmente adoro atuar. Você conhece novas pessoas, você vai para locações diferentes”, outra pausa, marca registrada. “É bem fácil também”.

Watson descobriu que ela gosta de se apresentar e se expressar: “Eu amo arte. Eu amo estar no palco, cantando, dançando. Então mesmo que eu pare de atuar, talvez eu tente ser roteirista, qualquer coisa que seja jogada para mim”. Ela enruga seu nariz. “Eu não consigo me ver em um escritório”.

Os adultos ao redor deles acham que eles podem cumprir estas ambições. Cuarón diz sobre Watson: “Se ela se decidir, ela pode ter uma grande carreira. Ela está crescendo tão bonita, eu adoraria trabalhar com ela novamente, longe de Harry Potter. Ela escuta atentamente e existe inteligência e entusiasmo dentro dela”. Sobre Grint, ele se entusiasma. “Eu nunca vi um jovem ator com um timing tão perfeito para comédia, mas isso Rupert faz na vida real também. Definitivamente existe uma carreira para os dois se eles quiserem”.

E uma importante e imparcial voz também acha o mesmo de Watson. Jina Jay, uma das agentes de escalação mais importantes do Reino Unido, especializada em achar novas crianças atores, incluindo Jamie Bell de Billy Elliot: “Eu sinto que Emma tem um enorme potencial como uma futura atriz principal”, ela diz. “Eu espero que ela explore suas habilidades cuidadosamente depois de Harry Potter. Eu também acho que ela é esperta e concentrada o suficiente para escolher apenas o material e diretor por quem ela sinta paixão”.

É impressionante o quanto Watson e Grint são naturais e sem mimos. “Eles não são como crianças de teatro”, diz David Heyman, produtor dos filmes da série Harry Potter. “Eles não se comportam como estrelas, e nós não os tratamos desse jeito. Muitos dos membros do elenco e equipe são como família por aqui. Eles trabalharam nos três filmes, então as crianças são gentilmente provocadas e tratadas como todo mundo. Existe um ar travesso no set”.

O fato de que estes estúdios feitos, situados no meio do nada e cerca de 20 minutos dos arredores de Londres, não tem glamour ajudam. E se eles são difíceis de achar. Em três anos que as filmagens começaram no primeiro filme de Harry Potter, apenas alguns fãs chegaram até os portões de segurança.

Watson e Grint estão determinados a continuarem equilibrados. “Eu ainda faço coisas normais”, insiste Watson. “Não existe nada que eu não possa fazer que eu pudesse antes dos filmes. Sou exatamente a mesma pessoa”.

Grint diz seu sentimento: “Meus amigos não acham que eu mudei. Eu tentei me manter bastante normal através de todos estes filmes, e meus amigos e família me ajudaram nisso. Eu apenas continuei vivendo minha vida do mesmo jeito”.